O casulo ( poema nonsense )

24 de janeiro de 2020 Nenhum Comentário

Cláustrobo bradou descoragens de corar clãs bolcheviques. Um acto áspero nunca observável em si. Embora carregado de destempero, os hábeis crivadores da oralidade, notadaram desviolências na falastra; tinha humanidades.
Cláustrobo aparentou presença nua das tolices e das insignificâncias; pensava livre e urgia untando coisas deliberantes.
Antes do tudo, porquanto, chorou salinas irrespirantes na outra noite; quando bem perto da loucurice, é que Cláustrobo esperançoi-se, enxergou mozin, mozou-se, descausulou. Desclaustrobou-se.


Deixe uma resposta