Hang Ferrero, nascido em Laguna, de Anita Garibaldi, das águas por todos os lados e toda monta de seres do imaginário nativo; acredita que por conta dessa atmosfera providencial, tenha alimentado a verve poética.

Imagem Hang

Últimos poemas

24 fevereiro, 2020

Colombina

tempera, co’esta voz rouca faça, blasfêmica bossa cintila, a pele púrpura solícita, ceda a páprica empurra, co’a saliva a...


12 fevereiro, 2020

Sístole

não é apelo, é pele, pelo que sucede ainda. não é pouco, se parece: é salto, é rede; é...


10 fevereiro, 2020

Casa de Ferrero

Oi Hang, boooa noite. Tudo bem? Passando para te parabenizar pela linda noite que você nos proprorciono ontem. Me...